Fundação Aristides de Sousa Mendes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Atenção
  • EU e-Privacy Directive

    This website uses cookies to manage authentication, navigation, and other functions. By using our website, you agree that we can place these types of cookies on your device.

Home Casa do Passal

A Casa

Indíce do artigo
A Casa
O projecto
Espólio
Donativos
Centro de Memória
Todas as páginas

A Casa do Passal foi construída no século XIX, na Quinta de São Cristóvão, em Cabanas de Viriato, e herdada por Angelina de Sousa Mendes. Na década de 1920, foi reconstruída e aumentada pelo casal para albergar a sua grande família de 14 filhos, embora servisse sobretudo como residência de férias. Trata-se de um grande edifício, em alvenaria e madeira, com mais de 1000m2 distribuído por 3 pisos. Separada da casa, fica a garagem que servia para albergar o autocarro, transformado em carro de família, o “expresso dos Montes Hermínios”.

 

A classificação como Monumento Nacional

Num processo encetado em 2005, a Casa do Passal, localizada na Quinta de São Cristóvão, na freguesia de Cabanas de Viriato, concelho de Carregal do Sal, foi classificada como Monumento Nacional, conforme  Decreto n.º 16/2011 de 25 de Maio, publicado no Diário da República, 1.ª série — N.º 101 — 25 de Maio de 2011.

“Trata -se de um palacete cuja arquitectura, de inspiração francesa, se insere no gosto das beaux-arts do segundo império, estilo característico dos finais do século XIX e que se destaca não só pelo eclectismo da arquitectura e pela imponência da fachada principal, mas principalmente pela memória do cônsul que a habitou e que sacrificou os interesses pessoais em prol dos refugiados do holocausto.

Aristides de Sousa Mendes ocupava o lugar de cônsul de Portugal em Bordéus quando, no decorrer da Segunda Guerra Mundial, passou vistos a milhares de refugiados, permitindo-lhes fugir e sobreviver às perseguições de que eram objecto, tendo, inclusivamente, alguns desses refugiados sido albergados na Casa do Passal.

A atitude de Aristides de Sousa Mendes, que salvou várias vidas, ditou-lhe também o fim da carreira diplomática, facto que teve um custo pessoal muito elevado, e que o deixou, em conjunto com a sua numerosa família, em péssima situação económica.

A relevância deste imóvel a nível nacional, não só em termos arquitectónicos mas também histórico-sociais, faz dele um lugar de memória, justificando-se, assim, a sua integral salvaguarda.”

Consulte aqui a documentação relativa ao Concurso Públcio de conceção para a elaboração do projeto de requalificação e musealização da Casa do Passal.


..

registo de inventário

Fonte: http://www.monumentos.pt